quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Festa de Amizade - Zeca Afonso

Caldas da Rainha - 5 de fevereiro de 1983

Já aqui tinha colocado um extrato desta Festa cingindo-me somente à atuação de Zeca Afonso. Agora temos o som (nem todo) e imagens (algumas) dessa Festa onde atuaram para além do Zeca, os amigos que com ele estiveram nesse dia.

É um momento histórico. Ao fim de 32 anos, o som da Festa é dado a conhecer a todos nós. Ao fazer a montagem do vídeo, já que o som me foi enviado por faixas, não retirei os silêncios, as palmas, a afinação das cordas das violas e guitarras, o som dos microfones, as vozes que se ouvem no palco. Está tal como estivéssemos nessa Festa, a ver e sentir todos os pormenores e, para os que lá estiveram pessoalmente, recordar tudo isso como se o ontem fosse hoje!
Esta "Festa" só foi possível graças a quatro pessoas fundamentais, o Fernando Manuel, Carlos Silva, José Carlos Faria (ambos do Grupo "Charanga que atuou na Festa) e à Regina Gaspar.

O meu Bem-Haja para eles.

São 2h45'48" de som e imagens. O som da Festa, o som de todos nós.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

DENSA É A ESCURIDÃO DAS NOITES PARA OS MÚSICOS

De Rui Pato.

Em Março de 1956, cinco anos antes de iniciar a sua fase de "autor e cantor de Baladas", Zeca Afonso já publicava alguns poemas.Este, por exemplo, que saiu numa revista cultural que eu desconhecia.
(Obrigado Rui Mendes, obrigado João Rasteiro)

"Testemunho de quem viu e conheceu Zeca Afonso"

(para aumentar, clicar na imagem)


Pesquisa e recolha na Gazeta das Caldas, Regina Gaspar

1970 - "la Chanson de Combat Portugaise"

Maison de la Mutualité em Paris.

A 10 de novembro de 1970, Zeca participa, com Sérgio Godinho, José Mário Branco, Luís Cília e o Trio Portugal, num espetáculo na “Mutualité”, sala mítica de Paris, em que é confrontado com um folheto de extremistas de esquerda, distribuído à entrada, o qual questiona a postura política de alguns cantores, nomeadamente José Afonso, Tino Flores e Luís Cília, e que o acusa de ser colaborante com o sistema e de, com isso, conseguir viver em Portugal e continuar a gravar discos.




No concerto Luis Cília precede-o e é o primeiro a cantar na segunda parte. Cília foi provocado e o mesmo veio a acontecer em seguida com Zeca, tendo a sessão sido interrompida.

José Afonso não se contém e desafia os opositores, espalhados pela sala, apostados em boicotar o concerto: “Quanto ao tal papel, estou disposto a fornecer indicações mais diretas àqueles que esperam que os cantores façam a revolução enquanto eles estão sentados, talvez no Café Luxemburgo.”

Aos aplausos seguem-se algumas “bocas”, a que Zeca responde: “Ó pá não vejo a tua cara, pá. Je vois pas ton visage. Tu vois le mien, non?”, o que gera confrontos físicos no público.

Diria Zeca, anos mais tarde, a José A. Salvador (in livro “Livra-te do Medo”)

«Recordo-me que uma vez, em Paris, fui completamente ridicularizado por um grupinho. Não sei qual era (*)… Distribuiram uns panfletos bílingues que começavam assim: “Chora, camarada, Chora.” Tais indivíduos não sabiam sequer analisar a música e muito menos os textos. Grande parte das minhas canções eram de origem popular, “Lá vai Jeremias” e tantas outras. Os tipos achavam que eu era um choramingão como todos os cantores burgueses.»

(*) era um grupo dissidente do PCP (ml) de Heduíno Gomes mais conhecido por Vilar. Heduíno Gomes mais tarde aderiu ao PSD e é marido da cantora Ana Faria. Como diz o José Mário Branco “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”.

Fontes:

Vídeos:

– extrato do documentário “Maior que o Pensamento” de Joaquim Vieira (2ª parte – Combate), onde testemunham alguns cantores que estiveram presentes nesse concerto.


- extrato do vídeo da participação de Luís Cília, com duas das canções: "Dez reis de esperança" e "Portugal Resiste". Neste extrato, pode-se ouvir a provocação, a resposta de Luís Cília e a apresentação de José Afonso como intérprete seguinte.


Imagens do panfleto daqui:

issuu

Textos:

Município de Setúbal

Palco Principal

- Livro “Livra-te do Medo” de José A. Salvador

"Grândola Vila Morena"

Depoimento de Fernando Alvim (executante de guitarra clássica que acompanhou Zeca em vários espetáculos)

Pergunta:

Foi no carro, no retorno de uma viagem feita a Grândola para um espectáculo (17 de maio de 1964, na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense), onde estavam Fernando Alvim, Carlos Paredes e Zeca Afonso que este último começou a compor «Grândola Vila Morena», exactamente 10 anos antes do 25 de Abril de 1974. Como foi para si, 10 anos depois, ouvir esta música no momento em que ela mesma dava a machadada ao início de um acontecimento como a revolução?

Fernando Alvim

"Isso foi o Zeca, no regresso, para não adormecer, que começou a assobiar. Assobiou primeiro, e depois cantou… Pois, achei surpreendente… Eu até já não me lembrava bem, porque isso foi em 1964 e a revolução foi em 74, portanto, dez anos depois… Só depois é que vim a reconhecer aquela melodia…"

Rua de Baixo

Foi Fernando Alvim e não Júlio Abreu (um ciclista), que acompanhou Carlos Paredes em Grândola.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Poesia do Zeca - "Isto é Sono"


Tenho sono
Tenho saudades do vento
do poço
do catavento
da estrada de Santiago
Tenho montanhas de trapos
que são guizos
que são sapos
Tenho de tudo cautela
da minha infância calada
do velho
da nuvem branca
da janela
do romeiro
do tinteiro
da verruma
Tenho saudades da espuma.





Zeca - 1970

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Atuação do Zeca na Festa de Amizade

Festa de Amizade - 5 de fevereiro de 1983


Ao fim de 32 anos, com o esforço conjunto de uma série de amigos, é possível apresentar o som da última atuação (até agora) do Zeca Afonso em palco (o som da gravação do fado que Zeca canta, "Saudades de Coimbra", que aparece no disco de Homenagem ao Zeca em Coimbra a 26 de maio de 1983, não é o som original).

Nunca será demais agradecer a quem fez com que este evento fosse possível dar a conhecer a todos nós, em fotos, em som e na imprensa da época. A eles (Fernando Manuel, José Carlos Faria e Regina Gaspar) um muito Obrigado, sem a vossa disponibilidade e empenho esta "Festa" não seria possível.

"Vira de Coimbra"

Na discografia do Zeca, o "Vira de Coimbra" faz parte de dois discos: EP "Balada do Outono" - 1960 e do LP "Fado de Coimbra e outras canções" - 1981, com quadras distintas entre estes dois discos.

Em ambos aparece como popular o autor da música e letra deste "Vira". Mas no EP de 1960 uma das quadras não é popular. A 4ª quadra é de um poeta bem conhecido, António Nobre.

Vira de Coimbra de 1960

(1ª)
Dizem que amor de estudante
Não dura mais que uma hora
Só o meu é tão velhinho
Inda se não foi embora.
(2ª)
Coimbra pra ser Coimbra
Três coisas há-de contar
Guitarras, tricanas lindas,
Capas negras a arejar
(3ª)
Ó Portugal trovador
Ó Portugal das cantigas
A dançar tu dás a roda
A roda co'as raparigas
(4ª)
Vou encher a bilha e trago-a
Vazia como a levei
Mondego qu'é da tu'água
qu'é dos prantos que eu chorei.


A última quadra, está no seu livro de poemas "Só" (1890).

"Vou encher a bilha e trago-a
Vazia como a levei
Mondego qu'é da tu'água
qu'é dos prantos que eu chorei
."


É a sétima quadra do poema, “Para as raparigas de Coimbra”.

(1ª)
"Tristezas têm-nas os montes,
Tristezas têm-nas o Céu,
Tristezas têm-nas as fontes,
Tristezas tenho-as eu!
(2ª)
O choupo magro e velhinho,
Corcundinha, todo aos nós,
És tal qual meu Avôzinho:
Falta-te apenas a voz.
(3ª)
Minha capa vos acoite
Que é para vos agazalhar:
Se por fora é côr da noite,
Por dentro é côr do luar …
(4ª)
Ó sinos de Santa Clara,
Por quem dobraes, quem morreu?
Ah, foi-se a mais linda cara
Que houve debaixo do Céu!
(5ª)
A sereia é muito arisca,
Pescador, que estás ao Sol:
Não cae, tolinho, a essa isca …
Só pondo uma flor no anzol!
(6ª)
A Lua é a hostia branquinha,
Onde está Nosso Senhor:
É duma certa farinha
Que não apanha bolor.
(7ª)
Vou a encher a bilha e trago-a
Vazia como a levei!
Mondego, q’ué da tua agoa,
Q’ué dos prantos que eu chorei
?


...

Coimbra, 1890."

Esta mesmo quadra faz parte do "Fado d'Anto" (3ª) musicado e cantado por Francisco Menano e poema de António Nobre (Zeca Afonso no seu "Fado d'Anto" só canta duas destas quadras por esta ordem, 5ª e 4ª)

(1ª)
"Meninas, lindas meninas !
Qual de vós é o meu ideal ?
Meninas , lindas meninas
Do Reino de Portugal !
(2ª)
Minha capa vos acoite,
Que é p'ra vos agasalhar;
Se por fora é côr de noite,
Por dentro é côr do luar ...
(3ª)
Vou encher a bilha e trago-a
Vasia como a levei !
Mondego, que é da tua água
Que é dos prantos que chorei?

(4ª)
Ó quem me dera abraçar-te,
Contra o peito assim, assim,
Levar-me a morte e levar-te
Toda abraçadinha a mim.
(5ª)
A cabra da velha Torre,
Meu amor, chama por mim;
Quando um estudante morre,
Os sinos chamam, assim.
(6ª)
Ó sinos de Santa Clara,
Por quem dobraes, quem morreu ?
Ah, foi-se a mais linda cara
Que houve debaixo do Céu!"

(o português que está nos poemas, é o português original da época em que estes poemas foram concebidos)

Assim podemos considerar que no "Vira de Coimbra" de Zeca Afonso, as 1ª, 2ª e 3ª quadra são de autor desconhecido (por enquanto) mas a 4ª tem um nome e esse é António Nobre.

Existe esta placa em Coimbra (Parque Manuel Braga) onde podemos certificar a autoria do poema.


O poema de António Nobre declamado por Luís Gaspar



Fontes:

Penedo da Saudade
Estúdio Raposa
Natura di uminho

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Zeca em Montmorillon

Coloquei aqui um tema sobre o fósforo que acendeu o cigarro do Zeca em Paris quando o Zeca atuou no Théâtre de la Ville em novembro de 1981.

Sobre o assunto disse Pierre Brugier:

"No dia de folga, 19, por amizade, deu o pulo até Montmorillon para um espectáculo único e inesquecível, acompanhado pelo Janita, o Júlio e o falecido Serginho! Grandes momentos!

Eu vou procurar o corte dos jornais locais...Mas imagine ...o Zeca em Montmorillon...Naquele dia, realizei um dos meus sonhos...os meus alunos todos a acompanhá-lo nas canções! E a surpresa dele...!"

... E o Pierre Brugier não se ficou pelas palavras e foi. Foi e conseguiu estes recortes na imprensa local, da presença do Zeca nesse espetáculo.


Apresentação em Montemorillon feita por Pierre Brugier, sobre a participação de José Afonso a 19 de novembro de 1981

José Afonso à Montmorillon

La venue de José Afonso, jeudi 19 novembre au CAR de Montmorillon est sans conteste un grand événement pour notre région.
Depuis de nombreuses années, il est l'un des artistes les plus populaires du Portugal et du monde lusophone.
Il commença à chanter alors qu'il était étudiant à Coimbra. (il est licencié en histoire de la philosophie) Pendant la dictature salazariste, il fut le chef de file des chanteurs dits « de résistence ou d'intervention »; il a d'ailleurs payé moralement et physiquement de sa personne son opposition au régime.

A l'aube du 25 avril 1974, c'est une de ses chansons, « Grândola, Vila Morena » qui annonça sur les ondes portugaises le soulèvement populaire qui libéra le Portugal de la dictature. Cette chanson devait ensuite devenir l'hymne de la Révolution des Oeillets!
Depuis, José Afonso est toujours le troubadour de la Liberté. Il a su rester en marge de tout régime et de tout parti. Bien que se reconnaissant révolutionnaire, il déclarait récemment:

« Je suis mon propre comité central ».

Il adapte avec bonheur la musique populaire des provinces de son pays, des anciennes colonies, mais revient aussi aux balades de ses débuts. La recherche est permanente, pour les textes comme pour la musique de ses chansons. Sa voix, à elle seule est un instrument hors du commun. En un mot, c'est le « Grand Monsieur » de la chanson portugaise!
Il chante actuellement au Théatre de la Ville à Paris. A Montmorillon, il sera accompagné par des musiciens de talent: Júlio Pereira, Janita et Serginho Mestre.

Pierre Brugier.

Tradução livre

"A chegada de José Afonso, quinta-feira 19 de novembro no CAR Montmorillon é, sem dúvida, um grande evento para a nossa região.
Durante anos, é um dos artistas mais populares de Portugal e do mundo de língua Português.
Começou a cantar quando era um estudante em Coimbra. (tem uma licenciatura em história da filosofia). Durante a ditadura de Salazar, era o líder dos chamados cantores "da resistência ou intervenção"; também pagou moralmente e fisicamente em pessoa sua oposição ao regime.

Na madrugada de 25 de Abril de 1974, é uma de suas canções, "Grândola, Vila Morena", que anunciou em ondas portuguesas a revolta popular que libertou Portugal da ditadura. Esta canção torna-se o hino da Revolução dos Cravos!
José Afonso ainda é o trovador da Liberdade. Ele manteve-se à margem de qualquer plano e qualquer partido. Apesar de reconhecer-se revolucionário, ele disse recentemente:

"Eu sou o meu próprio Comité Central."

Ele se adapta a música felizmente populares das províncias de seu país, e ex-colónias, mas também caminha até sua estreia (neste caso Pierre deve estar a referir-se a textos e musicas originais do Zeca). A investigação está em curso para textos como a música de suas canções. Sua voz por si só é um instrumento incomum. Em uma palavra, é o "Grand Monsieur", da canção Portuguesa.
Atualmente canta no Teatro de la Ville, em Paris. Em Montmorillon, será acompanhado por músicos talentosos: Júlio Pereira, Janita e Serginho Mestre.


quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

"O fósforo que ainda arde"


No rasto de Zeca em Paris - Uma história comovente.

"A 13 de abril de 2012, comecei a procurar o rasto de José Afonso em Paris [...] ao pé do Sena, entrei no metro para chegar a Boulevard la Tour Maubourg, ao Centro Calouste-Gulbenkian e ali…

Ali achei o rosto da utopia. O rosto da utopia foi o livro que me trouxe amavelmente a bibliotecária da Gulbenkian, escrito por José A. Salvador em 1994.

Molhei os dedos nos lábios para passar as páginas. De entrada descobri que o Zeca escreveu, nos seus tempos no Colégio Mangualde, em Setúbal, uma tese sobre Sartre e que um tal Padre Miguel lhe disse: “O senhor pelo que li apresenta inequívocos indícios de poeira mental”.

Molhei outra vez os dedos e ao passar a página achei, surpreendendo-me, a foto do cartaz do concerto de 1981 em Paris, colado no metro.


No meu terceiro dia em Paris cheguei-me ao mercado de Poisy, um dos bairros de forte imigração portuguesa, e entrei no bar Coimbra.

Faltava-me o final da história e havia que intentá-lo. Assim que quando aquela mulher, olhos negros, sessenta anos, me serviu a ginginha, eu falei-lhe: Olá, bom dia, venho da Galiza, de Santiago de Compostela, e estou a procurar informações sobre a presença do Zeca Afonso em Paris… Sabe quem me poderia ajudar?

Ela disse simplesmente: Eu. E foi-se embora. Regressou com mais um copo, serviu-se da ginginha e disse: Em 1981 veio cantar ao Théâtre de la Ville, e depois do concerto eu esperei por ele. Queria dar-lhe dois beijinhos, eu adorava o Zeca. Havia muita gente. Ele tirou um cigarro, levou-o à boca, mas não tinha lume. Eu, ligeira, acendi um fósforo e protegendo-o assim, com esta mão, cheguei-lho a arder. E assim foi… Eu dei lume a José Afonso, disse orgulhosa aquela mulher, a sorrir com muito ar no peito.

Tenho-o cá, disse, o fósforo. Vou buscá-lo. E foi e voltou com um envelope de papel amarelecido, quase transparente. A mulher que deu lume a José Afonso em Paris abriu o envelope, tirou o fósforo, mostrou-mo pegando nele com o indicador e o polegar, pousou-no em silêncio na mesa, dentro dum dos olhos da madeira, e eu tirei-lhe uma foto.


Parece que ainda arde…, disse baixinho.

Chama-se Patrícia Maria Verde Vilar. Antes de despedir-me perguntei-lhe: De que canção do Zeca gostava mais? E ela disse: Enquanto há força.

E eu saí a assobiar… Seremos muitos, seremos alguém."

Texto e fotos de Xosé Luís González Sende, conhecido por Séchu Sende, escritor galego.

Tradução do galego: Mário Lima (fiz os possíveis para ser, o quanto possível, fiel ao original)

Daqui


Atuação do Zeca no Théâtre de la Ville (fotografias de josé maria laura)

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Ano 1983 - Cronologia das atuações

29 de janeiro - Coliseu de Lisboa


5 de fevereiro - Caldas da Rainha


25 de maio - Coliseu do Porto


26 de maio - Coimbra


1 de junho - Beja

Festa de Amizade com Zeca Afonso - 5 de fevereiro de 1983




O meu sincero agradecimento a Fernando Manuel e a Carlos Salomé, pelo envio das fotos e folheto da participação do Zeca, na Festa da Amizade no dia 5 de fevereiro de 1983 nas Caldas da Rainha.

... e aos testemunhos de quem lá esteve

"[...] Depois de estar nas Caldas da Rainha, novamente num espectáculo com José Afonso, a 5 de Fevereiro, numa homenagem que lhe prestaram, em que também actuou Armando Marta com a sua peça "Grândola de novo"..."

de Octávio Sérgio - guitarrista que colaborou com o Zeca

Daqui

comentário de Fernando Manuel no meu FB "Tributo a Zeca Afonso"

"[...] na verdade o dia 29 (dia que foi escolhido para o Concerto no Coliseu em Lisboa) era para ser nas Caldas da Rainha, mas a "Era Nova" (Cooperativa de Acção Cultural (1978)) entendeu que seria melhor ser primeiro em Lisboa, o Zeca falou connosco, e mudamos o dia para 5 de fevereiro, fomos ao coliseu dia 29 e depois fizemos nas Caldas que devo dizer que todos os artistas se disponibilizaram a vir actuar gratuitamente em prol do Zeca"


comentário de José Carlos Faria (e seguintes no FB "Os Amigos de José Afonso") do grupo "Charanga" que atuaram nessa festa

"Eu integrava o grupo Charanga (que tinha acabado de gravar um LP e consta do cartaz aqui publicado) e posso confirmar que o Zeca actuou, sim, inclusivamente com alguns de nós a acompanhá-lo em palco. [...] a primeira parte foi uma demonstração de judo e karaté (porque o Zeca tinha sido judoca), mas depois foi música e poesia e aí, repito, ele actuou. Inclusivamente há pouco tempo foi descoberta num arquivo esquecido uma gravação audio do espectáculo.

...

"O Júlio Pereira foi o músico principal no acompanhamento do Zeca em palco, mas também o Sérginho, na flauta, que tinha estado pouco tempo antes no Coliseu. Já não me recordo se o Durval Moreirinhas e o Octávio Sérgio também o acompanharam (creio que sim) mas a gravação confirmará o alinhamento.

de Jorge Francisco:

"Posso voltar a confirmar que o Zeca ACTOU. Eu estive mesmo junto ao palco com um grupo de amigos das Caldas."

comentário de Regina Gaspar

"Cantou e muito...eu estava lá bem o vi e ouvi.....notava-se nele muita dificuldade sim. Mas cantou."

"... até me recordo de lá se comentar da dificuldade que ele tinha em utilizar os instrumentos de percussão e já não sei quem mas alguém teve que o ajudar....foi muito comovente.[...} Acrescento que o concerto terminou com a actuação dele."

de José Peixoto Henriques:

"Eu estive lá, ainda tenho o autocolante que diz "Festa da amizade, cantar Abril em Fevereiro". Quem foi ao palco saudar o Zeca foi a Natália Correia..."

O folheto do evento


autocolante da Festa


A Festa da Amizade na Gazeta das Caldas - Recolha de Regina Gaspar (para aumentar, clicar na imagem)



Pela libertação dos presos políticos - 17 de junho de 1982

Sessão de Canto na Escola Comercial das Caldas da Rainha.

Com Zeca Afonso, Francisco Fanhais, Júlio Pereira, o guitarrista Octávio Sérgio e filho, o escritor Nuno Bragança e o poeta Manuel Alegre.

O meu agradecimento ao Fernando Manuel pelas fotos e por dar a conhecer este evento e à Regina Gaspar pela recolha junto à Gazeta das Caldas do texto dessa Sessão.

De Octávio Sérgio sobre esta Sessão de Canto

"No dia 17 de Junho fui às Caldas da Raínha com José Afonso em apoio dos grevistas da fome do PRP. Toquei "Nas Linhas de Torres" e "Dor na planície". O Zeca cantou quatro fados e, seguidamente, eu e o meu filho António Sérgio acompanhámos Júlio Pereira em dois números de cavaquinho."

fotos: José Nascimento

(para aumentar, clicar na imagem)


domingo, 8 de fevereiro de 2015

Festival ‘Pela Vida e Contra o Nuclear’ - 21 janeiro de 1978

Espectáculo contra a instalação da central nuclear em Ferrel - Peniche

com Zeca Afonso, Vitorino, Pedro Barroso, Fausto e Sérgio Godinho


Fotos tiradas na porta traseira da Casa da Cultura virada para o parque D.Carlos em Caldas da Rainha (informação de Fernando Manuel)

Presentes também nesta foto; Pintinhas, Manel do Asilo e Carlos Salome Vieira, identificados por Samuel Marques

Este Festival na Imprensa:

"Em Janeiro de 1978, nas Caldas da Rainha e em Ferrel, realizou--se o Festival ‘Pela Vida e Contra o Nuclear’, que reuniu três mil pessoas em debates, espectáculos e outras actividades, nos quais participaram Zeca Afonso, Vitorino, Pedro Barroso, Fausto e Sérgio Godinho."

Daqui


Na Gazeta das Caldas (para aumentar, clicar na imagem)

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

"Baladas e Canções"

Primeiro disco de 33 rpm gravado por José Afonso em 1964.

LP da coleção de Rui Pato.

TEXTO NA CONTRACAPA

"A Nova Balada de Coimbra! As novas Baladas de Coimbra! Foi isto que José Afonso criou, renovando uma das mais belas melodias da canção portuguesa, trazendo-a para o nosso tempo. Sem perder a feição trovadoresca, que fala das noites de luar ou de sombras da meiga cidade do Mondego, José Afonso, melhor, o Dr. José Afonso, que foi seu universitário, acrescentou-lhe uma actualidade que faz redobrar de emoção, de compreensão, de vivência, enfim. Estas baladas são cantos de amor, de sofrimento, de solidariedade e de esperança, tanto mais poemas que consonâncias, tanto mais harmonias que estrofes, que a viola do estudante Rui Pato acompanha, acentuando os ecos ancestrais e presentes, como transformada num cinzel, para lhe cavar sons que são chamamentos, vozes ressurgidas, clamores e pregões de uma vida nova, cantando intensamente as suas queixas e as suas expectativas. Neste jornadear o novo trovador vai enchendo de acordes ignorados e maravilhosos a paisagem da balada coimbrã, numa palavra, o panorama da canção lusitana."

Assinado por Adriano Peixoto, jornalista e intelectual, representante da Delegação do Diário de Notícias em Coimbra.

Daqui



O álbum

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Zeca em Coimbra - 26 maio de 1983

O último concerto do Zeca foi o que se realizou no dia 25 de Maio de 1983 na cidade do Porto, organizado por Avelino Tavares, promotor musical da revista “MC” Mundo da Canção. Pena foi que este concerto não tivesse direito a filmagem ou simplesmente a um registo sonoro.

No dia seguinte ao concerto Zeca Afonso e sua mulher Zélia seguem de comboio para Coimbra, para este receber a medalha de honra da cidade.

O autor da proposta de atribuição da medalha de ouro da cidade ao cantor José Afonso, foi António Portugal e aceite por unanimidade pela Assembleia Municipal de Coimbra.

Entre guitarras de fado e estudantes de Coimbra, no dia 26 de Maio no Jardim da Sereia, Zeca agradece a homenagem e o Presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Fernando Luís Mendes Silva, no final da sua intervenção diz o seguinte:

“A cidade de Coimbra, a tua cidade, em momento de gratidão bem alto, concedeu-te a medalha de ouro com que distingue os seus vultos mais ilustres.

Bem a mereceste, pois fazes parte da sua história por direito próprio.

Perdoa o meu orgulho e o meu desvanecimento, mas nem imaginas a felicidade que vai em mim.

Obrigado Zeca

Volta sempre. A casa é tua”.


Não quero converter-me numa instituição, embora me sinta muito comovido e grato pela homenagem, respondeu José Afonso.



Desta última aparição em público, e à revelia do autor, é publicado pelo Foto Sonoro o maxi-single “Zeca em Coimbra”, disco raro e que por vezes nem consta de algumas discografias da obra do autor.

Daqui

Este disco “Zeca em Coimbra”, conta com a participação dos cantores Luís Marinho (Traz Outro Amigo Também), António Bernardino (Tenho Barcos, Tenho Remos), dos guitarristas António Portugal, António Brojo e dos violas Aurélio Reis, Luís Filipe e Rui Pato. “Saudades de Coimbra” cantada pelo Zeca Afonso que está no disco, não é o original desse evento. (ver tema A Fraude).



Vídeo sonoro dessa homenagem



(contracapa)





Pequeno excerto da intervenção de Zeca em Coimbra


Foto: Zeca atuando


O vinil e um outro pequeno apontamento sobre este single cujo lançamento não foi do agrado do Zeca.

VINIL - SLEEVE (EX / EX). Edição original da Fotossonoro. Registo muito raro.

Editado à revelia do autor, ''Zeca em Coimbra'' tornou-se com o decorrer dos anos um dos discos mais procurados deste cantautor de culto da música portuguesa. É também o último registo gravado ao vivo e em vida do autor, depois do ''Ao vivo no Coliseu'' em Janeiro de 1983. Tem a particularidade de ser uma Maxi de 12'', em 45 rpm e com a participação dos cantores Luís Marinho, António Bernardino, dos guitarristas António Portugal, António Brojo e dos violas Aurélio Reis, Luís Filipe e Rui Pato.

A1. Traz Outro Amigo Também
A2. Tenho Barcos Tenho Remos
B1. Dueto Concertante
B2. Saudades de Coimbra

Daqui


Recortes do Diário de Coimbra (acervo Rui Pato)

do dia da Homenagem


do dia 28


de Isabel Torga dois documentos inéditos sobre o evento



O cartaz refere como local da homenagem o Teatro Gil Vicente, mas devido à grande adesão popular, foi alterado no próprio dia, para o Jardim da Sereia.


Neste evento participaram, entre outros grupos o GEFAC ( Grupo Etnográfico e Folclórico da Academia de Coimbra), o Orfeon Académico e vários interpretes da canção de Coimbra e outro amigos do Zeca...

(informação de João Branco Castelo Branco)

Fotos cedidas por Angélica que pertencia que pertencia ao Orfeon tal como João Branco Castelo Branco